sábado, 31 de dezembro de 2011

Bom ano de 2012!


Que o novo ano anuncie um país e um mundo melhor!
Feliz 2012! 

Orçamento de Estado para 2012


Aprova as Grandes Opções do Plano para 2012-2015 

Orçamento do Estado para 2012

Aprova a estratégia e os procedimentos a adoptar no âmbito da lei de enquadramento orçamental, bem como a calendarização para a respectiva implementação até 2015.

DIÁRIO DA REPÚBLICA N.º 250, SUPLEMENTO COMPLETO, SÉRIE I DE 2011-12-30

Artigo 21.º e seguintes da Lei º 64-B/2011
 Suspensão do pagamento de subsídios de férias e de Natal ou equivalentes
(Pág. 6 e seguintes - pdf)

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Boa música portuguesa!

Recomendação do CNE sobre Educação para a Literacia Mediática

Publicada no Diário da República uma recomendação do Conselho Nacional de Educação sobre a Educação para a Literacia Mediática. 

“[...] a literacia mediática é uma questão de inclusão e de cidadania na sociedade da informação de hoje [...] evitando ou diminuindo os riscos de exclusão da vida comunitária”


quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Relatório da IGE - Ação Social Escolar

O presente relatório da Inspeção Geral de Educação tem por objectivo dar a conhecer o resultado das auditorias realizadas à acção social escolar em 52 agrupamentos de escolas e em 47 escolas não agrupadas do ensino público.

Regulamento do Gabinete de Gestão Financeira

Publicado no Diário da República o Despacho com o Regulamento interno de funcionamento, atendimento e horário de trabalho do Gabinete de Gestão Financeira do Ministério da Educação e Ciência.


Nova Lei Orgânica do MEC

Publicado hoje no Diário da República o diploma que aprova a Lei Orgânica do Ministério da Educação e Ciência.


quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Concursos - Bolsas de Recrutamento e Ofertas de Escola

Segundo a comunicação enviada às Escolas/Agrupamento divulgada pelo Paulo Guinote, e de acordo com a legislação em vigor para os concursos de docentes, a BR 13 foi a última Bolsa de Recrutamento para  contratação. Durante o ano letivo poderá haver mais Bolsas apenas para docentes dos quadros. A contratação de docentes será efetuada através da Contratação de Escola.

"Exmo(a) Senhor(a) Director(a),
No âmbito da migração de aplicações informáticas e procedimentos internos associados a essa migração, a DGRHE vai limitar o acesso à aplicação Bolsa de Recrutamento/Contratação de Escola.
Assim, informo V. Exa. do seguinte:
A partir das 23:59 horas de hoje as Direcções Regionais de Educação não validam mais pedidos de horários. Esta validação será de novo possível a partir do dia 4 de Janeiro de 2012, inclusive.
Os horários da Bolsa de Recrutamento que não ficarem ocupados na BR que tem lugar amanhã, dia 28 de Dezembro, não vão ficar disponíveis para CE.
A próxima Bolsa de Recrutamento apenas decorrerá no próximo dia 9 de Janeiro de 2012.
Com os melhores cumprimentos.
O Director Geral
Mário Agostinho Alves Pereira"

Concursos - Bolsa de Recrutamento


2012 "Annus horribilis"


Correio da Manhã 28/12/2011

 Ano novo, novos aumentos

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

A Avaliação dos Estabelecimentos de Ensino

"A avaliação de uma escola é uma prática social que consiste em construir uma representação de seu valor em relação a outras escolas comparáveis, a uma norma abstrata ou a objetivos escolhidos por ela ou a ela atribuídos.Certamente, a avaliação pode emprestar do método científico uma parte de seus instrumentos, de seus procedimentos, de seu rigor. Ela se mune então de uma racionalidade e, portanto, de uma legitimidade que, na aparência, aumentam sua neutralidade, o que serve, quer se queira, quer não, aos interesses dos autores aos quais uma representação reputada "inatacável" da realidade fornece argumentos suplementares. "

sábado, 24 de dezembro de 2011

Feliz Natal!


A todos os colegas, amigos e visitantes deste blogue desejamos um Feliz Natal, com a esperança de que todos os nossos sonhos se realizem com muita saúde e paz na alegria da família!
Boas Festas!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Os defeitos do sistema político português



Ver este e todos os vídeos com Medina Carreira aqui

Insucesso Escolar

Quanto custa Educar?



Apesar da falta de rigor de algumas comparações com o passado e porque a escola de hoje oferece outros serviços e os docentes exercem outro tipo de funções que não existiam...

Revogação das Competências Essenciais de 2001

Publicado no Diário da República de hoje o Despacho que revoga o documento Currículo Nacional do Ensino Básico - Competências Essenciais, divulgado em 2001.



quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Aprovados em Conselho de Ministros

 O Conselho de Ministros aprovou dois diplomas que procedem à regulamentação do novo regime de avaliação de desempenho dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário e a correspondente alteração do Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (abreviadamente designado por Estatuto da Carreira Docente) de acordo com as orientações de política educativa consagradas no Programa do XIX Governo Constitucional, designadamente no que respeita à efectivação de um ambiente de estabilidade e de confiança nas escolas.

A Qualificação dos Portugueses - Relatório do CNE

O Conselho Nacional de Educação publicou, pelo segundo ano consecutivo, o Relatório "Estado da Educação 2011 - A Qualificação dos Portugueses".
Trata-se de um retrato da Educação em Portugal, do pré-escolar ao ensino superior, com especial incidência na problemática da qualificação.
O EE 2011 mostra a evolução da qualificação dos portugueses, sobretudo no decurso da última década, identifica avanços, problemas e desafios e apresenta recomendações dirigidas às autoridades educativas.

Seleção e provimento de cargos superiores da Administração Pública

Publicada hoje a lei que modifica os procedimentos de recrutamento, selecção e provimento nos cargos de direcção superior da Administração Pública, procedendo à quarta alteração à Lei n.º 2/2004, de 15 de Janeiro, que aprova o estatuto do pessoal dirigente dos serviços e organismos da administração central, regional e local do Estado, e à quinta alteração à Lei n.º 4/2004, de 15 de Janeiro, que estabelece os princípios e normas a que deve obedecer a organização da administração directa do Estado.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Taxas Moderadoras do SNS

Foi publicada ontem no Diário da República a portaria que aprova os valores das taxas moderadoras do Serviço Nacional de Saúde, bem como as respectivas regras de apuramento e cobrança.

Opinião - Santana Castilho

Era uma vez a confiança
A solução para os gravíssimos problemas que nos afectam é um empreendimento colectivo. Mas todos os empreendimentos colectivos falham se a sociedade não sentir confiança. As pessoas aceitam os sacrifícios se as convencerem de que eles resolvem os problemas. Confiança e reciprocidade são palavras-chave. Infelizmente, o Governo ignora-as. 
Os portugueses estão mergulhados em sofrimento: famílias envergonhadas, lançadas numa pobreza com que nunca sonharam; velhos sem dinheiro para a farmácia; jovens sem horizontes de futuro; crianças com fome; professores sem escola; desemprego galopante; empresas falidas; assaltos violentos todos os dias. Tudo contemplado por um Governo incontinente nas nomeações políticas, imoral na distribuição de benesses, insensível, perito em abater, incapaz de erigir, que não gera confiança. 
As alterações curriculares do sistema de ensino, já aplaudidas por alguns, são uma pantomina. São a evidência da boçalidade técnica dos que as propõem. A discussão pública que se segue já morreu, por uma questão de confiança metodológica. Gente séria e competente aborda o currículo assim: primeiro estabelecem-se as metas, isto é, o ponto de chegada dos alunos a ensinar; depois definem-se os programas que podem cumprir esses objectivos; e só no fim, obviamente, se fixam as cargas horárias adequadas. Mas o ministro começou por fixar já as horas para cada disciplina e a estrutura global. Chamou a isso a primeira etapa. Anunciou que a segunda será a definição das metas. E garantiu que só mais tarde reformulará os programas. Qualquer trapalhão não faria pior. O ministro não fundamentou. Achou! E eu acho que o ministro mentiu quando afirmou que a proposta de revisão curricular não foi feita "a olhar para orçamento". Porque qualquer cidadão minimamente informado sabe que dessa revisão jamais poderia resultar um acréscimo de despesa. Porque o orçamento não era uma variável. Era um determinante. O que vem a seguir é uma farsa. As metas e os conteúdos programáticos dependerão das horas já fixadas, vergando a pedagogia e as ciências à contabilidade, da qual a Educação é, hoje, mero adereço. Crato podia, ao menos, ter sido intelectualmente honesto. Não promovendo a discussão pública de algo cujos fundamentos ainda não foram estabelecidos. Não invocando pressupostos que nunca explicitou. Ele, que sempre falou da necessidade de reduzir a dispersão curricular no ensino básico, aumentou-a no 2º ciclo. Ele, que tinha a obrigação de acomodar a decisão errada de prolongar a escolaridade obrigatória até aos 18 anos com uma reorganização curricular do secundário, particularmente no que a vias técnicas e profissionais respeita, decidiu, apenas, uma mais que questionável quebra da carga horária no 12º ano (sem olhar ao orçamento, disse). Pediu contributos públicos. Aqui tem o meu. É pena que nenhuma televisão o confronte com alguém que lhe dissesse, na cara, o que a verdade reclama. 
Tenho à minha frente duas cartas assinadas pela presidente do Conselho Directivo do Instituto da Segurança Social. Numa, a incompetente presidente comunica a um cidadão (a quem os serviços que dirige reconheceram, anteriormente, isenção legal de contribuir para a segurança social) que lhe foi fixada, oficiosamente, a obrigação de pagar, todos os meses, a quantia de 186,13 euros, por ter tido, em 2010, um rendimento de … 600 euros. Na outra, da mesma bestial natureza, outro cidadão (com actividade legalmente suspensa e reconhecida como tal pela repartição de finanças da sua residência) é informado que a brincadeira a que a senhora preside lhe fixou uma mensalidade de 124,09 euros, por ter tido, em 2010, um rendimento de … 3.975. A primeira vítima pagaria 2.233,56 euros, por ter ganho … 600. E a segunda pagaria 1.489,08, isto é, quase metade do que ganhou, o que, apesar de tudo, a torna credora da arbitrária generosidade oficiosa: 600 pagam 2.233,56, mas 3.975 “só” pagam 1.489,08. É público que foram emitidas milhares de cartas deste teor (outra, denunciada neste jornal, aplicava a mesma chapa de 186,13 euros a um falecido em 1998). Quando a leviandade desta sócia do CDS foi branqueada com uma referência simples “a erro que vai ser corrigido”, foi-se, definitivamente, a confiança no ministro que a tutela, correligionário da mesma agremiação.
O ministro da Defesa foi recentemente à Mauritânia assinar um acordo. Viajou em Falcon. O Falcon avariou. Outro Falcon voou com uma equipa técnica para reparar o primeiro. Quanto custou tudo isto? Para o cidadão que não esqueceu a demagogia da suposta poupança em viagens aéreas, de início de mandato, que acontece à confiança?
Primeiro foi o secretário de Estado da juventude. Agora, foi o próprio primeiro-ministro que instigou milhares de professores a emigrarem. Salazar exportava negros sem qualificação profissional para as minas de ouro da África do Sul. Passos Coelho quer exportar, para qualquer África, jovens qualificados, cuja formação custou milhões. Eis o Estado Novo do século XXI, a passos de coelho. Que vergonha nacional este baixar de braços, esta confissão pública de incapacidade e de desistência, num país fustigado por um saldo populacional em queda alarmante. Não se pode governar promovendo a depressão colectiva e formatando a cabeça dos cidadãos para um futuro de miséria. Tamanha cobardia política arrasta na lama a confiança dos portugueses. 
George Orwell disse um dia que “ver o que está à frente do nariz requer uma luta constante”. Tanto maior, digo eu, quanto mais crescem os narizes dos políticos.
Santana Castilho 
Jornal Público

Reminiscências do passado

O acórdão do Supremo Tribunal Administrativo uniformiza a jurisprudência nos seguintes termos: no regime do concurso de acesso para lugares da categoria de professor titular, tal como se mostra vertido no Decreto-Lei n.º 200/2007, de 22 de Maio, as faltas por doença dadas pelos docentes nos cinco anos atendíveis relevavam na consideração do factor «assiduidade»

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

E daí?

Notícia do dia!
Com destaque de primeira página no jornal Correio da Manhã!

Desabafo

De tanto trabalho burocrático...estatísticas e muitas grelhas... os PROFESSORES não vão DEScongelar a tempo da Ceia de Natal!
Os outros profissionais...também trabalham até à véspera?!
- Eu sei!
Mas dia e noite...e feriados e domingos... é demais, não acham?
Já agora vamos fazer o sumo!
Não sei exatamente para que serve TANTO PAPEL... mas quero acreditar que estes papeis têm poderes mágicos e que em janeiro, os alunos vão aparecer "recuperadinhos"...
Pensei que fosse do conhecimento geral que também precisamos de comer, dormir e abraçar os filhos... era suposto, não era?!

As tais "gorduras do Estado": são os portugueses!

Primeiro foram os jovens desempregados a receber do secretário de Estado da Juventude guia de marcha para fora de Portugal; agora coube a vez aos professores, pela voz do próprio primeiro-ministro.
No caso dos professores, a coisa passa-se assim: o ministro Crato varre-os das escolas; depois, Passos Coelho aponta-lhes a porta de saída do país: emigrem, porque Angola e Brasil "têm uma grande necessidade (...) de mão-de-obra qualificada". Portugal (que é um dos países da Europa com mais baixos níveis de escolarização, segundo o Relatório do Desenvolvimento Humano de 2011, divulgado no mês passado pelo PNUD) não tem, como se sabe, necessidade de mão-de-obra qualificada.
E, como muito menos tem necessidade de mão-de-obra "desqualificada", ninguém se surpreenda se um dia destes vir o secretário de Estado do Emprego e o novo presidente do Instituto do Emprego e Formação (?) Profissional a mandar embora quem tiver como habilitações só o ensino básico; o ministro da Segurança Social a pôr na rua pensionistas e idosos (para que precisa Portugal de pensionistas e idosos, que apenas dão despesa?); o ministro da Saúde a dizer aos doentes que vão morrer longe, em países sem listas de espera e com taxas moderadoras em conta; o da Defesa a aconselhar os militares a desertar e ir para sítios onde haja guerras; e por aí adiante...
Percebe-se finalmente o que são as tais "gorduras do Estado": são os portugueses.
Manuel António Pina - JN

Profissionalização em serviço

Curso de profissionalização em serviço da Universidade Aberta

Porque gosto especialmente desta música...

O que pode deduzir no IRS

Tem menos de 15 dias para juntar todas as faturas que poderá apresentar na sua declaração de IRS a entregar em 2012.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Uma cidade fantástica!

Capital Europeia da Juventude em 2012 

Petição



Opinião - João Ruivo

Com a revolução científica e tecnológica que tem acompanhado a implementação da sociedade do conhecimento, a escola tem vindo a conhecer transformações profundas. Apesar de esse ser um tema recorrente da investigação educacional, é sempre interessante regressar a esta problemática, sobretudo quando os estudos nos confrontam com a crítica a uma escola que consideram demasiado racional, tecnológica, superespecializada e impregnada de clichés administrativos e corporativos.
Em consequência, instala-se no mundo interior dos docentes um efeito cuja perversão ainda está por medir: pese embora tudo o que aconteça na realidade diária das escolas, os professores estão convencidos de que a sua profissionalidade e a sua qualidade de trabalho dependerá, mais que tudo, das suas competências "operárias" e "instrumentais" (o saber-fazer) que os conduzem à aplicação de técnicas rigorosas através das quais conseguirão "produzir" a aprendizagem dos seus alunos.
Provas? Aqui estão, para os mais cépticos: Primeiro, todos abominam os "receituários", todavia quase sempre vivem dependentes dessa normatividade que lhes dá segurança e que lhes proporciona grande parte dos conhecimentos que guiam a acção; segundo, surgem os "tradutores-especialistas", aqueles que acreditam na voz especializada, enquanto intermediário insubstituível entre a origem científica do conhecimento e a correcta interpretação e divulgação das normas pedagógicas; terceiro, as reformas alteraram o discurso e as linguagens, porém o "processo de cretinização técnico-burocrático" do trabalho docente permanece, no substancial, inalterável. Resultado: a lucidez demasiado disciplinar e especializada conduz, invariavelmente, à cegueira no que respeita à apreciação do global, do geral e da diferença.
Nesta transformação profunda, é certo que a ciência substituiu a religião quanto à construção do discurso pedagógico. Todavia novas formas de misticismo afloraram sempre que, no terreno institucional, se procedeu à aceitação dos poderes, aliados aos saberes, como meios únicos de legitimação de uns e dos outros.
Para que a Escola atinja, neste terceiro milénio, uma via de "transformação positiva", temos que enfrentar alguns desafios. Desde logo, importa nivelar o estatuto da "pedagogia oficial" com o do "conhecimento prático" dos docentes. Depois, exige-se o rápido reconhecimento da maioridade dos profissionais do ensino. Um reconhecimento que proporcione a conquista da autonomia para pensar o próprio pensamento, autonomia para reflectir sobre o conhecimento elaborado, autonomia para construir novo pensamento com base no conhecimento e na maturação da própria acção docente. Ou seja, a eliminação do pensamento por "senso comum" do discurso oficioso que reina nos corredores de uma boa parte das escolas portuguesas.
No fundo, encontramo-nos perante um desafio, lançado aos "práticos", para que "conquistem", dentro das escolas, todas as "possibilidades" que lhes permitam a elaboração de "conhecimento", através do qual sustentem e teorizem essa mesma prática.
É que a separação entre pensamento e acção implica que a educação não seja mais uma preparação para agir. Implica a aceitação de dois ensinos distintos: um especulativo, o outro prático, um fornecendo o espírito e o outro a letra, um o método, o outro os resultados. E tudo isto nos empurra para o sublinhar de uma das maiores contradições que nos podem ser imputadas a nós, educadores: a incapacidade para integrar na nossa prática quotidiana, de um modo coerente, o que pensamos e o que fazemos.
João Ruivo

Na altura própria acertaremos as contas!

domingo, 18 de dezembro de 2011

Emigrem!



Todos conhecemos muitos políticos deste país que nunca tiveram ocupação, alguns nunca exerceram qualquer profissão, e nem por isso emigraram!
 Emigrem! 
Talvez não tenham coragem de emigrar porque para políticos mentirosos e sem palavra não haverá mercado no estrangeiro, ao contrário do que sucederá com os docentes portugueses.
Os educadores e professores já imigram por este país fora há muito tempo!

Já devia ter emigrado para não dizer disparates!

sábado, 17 de dezembro de 2011

Saudade

Grupo de trabalho para apurar custo por aluno

O Ministério da Educação criou um grupo de trabalho para apurar o custo real de cada aluno por ano de escolaridade no ensino público, tendo em vista alterações ao financiamento dos estabelecimentos particulares e cooperativos.
O grupo de trabalho, decido pelo secretário de Estado do Ensino e Administração Escolar, João Casanova de Almeida, é presidido por ex-ministro da Cultura Pedro Roseta e fará os estudos necessários ao apuramento do custo real dos alunos do ensino público. 
Lusa

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Bom fim de semana!

Opinião - J. Matias Alves

Continuamos a viver num sistema marcado por várias ilusões: a ilusão do comando e do controlo, a ilusão do poder dos decretos e do diário de república (vasto cemitério de leis); a ilusão das lideranças heroicas, salvíficas e solitárias; a ilusão da comunidade educativa; a ilusão dos projetos, planos e programas.
Nesta crónica defendemos a tese de que quando há um excesso de planificações, planos e projetos a realidade tende a ficar muito aquém do desejado e previsto. Mais: tende a ser substituída pelas ficções das narrativas que se escrevem ou esquematizam. Partindo de Pfeffer e Sutton (2000, 2006) identificamos 5 barreiras à ação resultantes deste excesso: 
1. Quando o discurso e a escrita substituem a ação. Na arena escolar, muitas vezes basta escrever para não ter de agir. Outras, o esforço de planificar esgota a vontade, a energia ou tempo para concretizar. Outras ainda, o que interessa, segundo a boa regra burocrática, não é o fazer mas o que se escreveu sobre o que se vai fazer ou sobre o que já se fez.
2. Quando a memória substitui a nova ação. A ênfase da planificação alimenta-se, em regra, da memória, do passado e isso dificulta um ajustamento às novas realidades emergentes.
3. Quando o medo impede a ativação de novo conhecimento. Quando as pessoas estão sob pressão e com medo do seu futuro, não vão trabalhar com afinco, imaginação e ousadia. Pfeffer e Sutton encontraram duas consequências negativas em organizações que eram governadas pelo medo: (1) levou as pessoas a concentrarem-se apenas no curto prazo, muitas vezes causando problemas a longo prazo, e (2) enfatizou a sobrevivência individual, desprezando a coesão do coletivo.
4. Quando a obsessão da medida obstrui o bom senso. Uma preocupação com resultados de medição em sistemas de monitorização que (a) são muito complexos, com muitas medidas, padrões e indicadores difíceis de operacionalizar, (b) são altamente subjetivos na implementação, e (c) muitas vezes fazem perder importantes elementos de desempenho.
5. Quando a concorrência interna transforma amigos em inimigos. Quem é o inimigo? Pessoas dentro da organização ou concorrentes externos?
Se a concorrência e a competição internas são a filosofia de gestão, isso (a) promove a deslealdade para com colegas e a organização como um todo, (b) prejudica o trabalho em equipa, e (c) inibe a partilha de conhecimentos e a disseminação das melhores práticas.
Vivemos sob o signo da projetocracia, do excesso de planificações e planos. No excesso de retórica e pobreza de práticas (Nóvoa). Da avaliocracia. Precisamos de um novo tempo. Um tempo de leveza dos planos; um tempo de ativação das inteligências adormecidas; um tempo de mais contacto na ação coletiva; um tempo de menos papéis; um tempo de mais reflexão colaborativa; um tempo de uma ação mais humilde, arriscada e empreendedora.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Alterações ao Estatuto da Carreira Docente

Revisão da Estrutura Curricular em análise

"Nenhum professor dos quadros do ministério vai ser despedido. O que irá acontecer é a redução do número de professores contratados no próximo ano." 

Adequado!


As "metas curriculares"

O documento que orienta o ensino básico desde 2001 será substituído por metas curriculares centradas nos conteúdos que alunos devem dominar.
É o ponto final na matriz definida para o ensino básico pelos governos socialistas de António Guterres. Primeiro desaparecerem as áreas curriculares não disciplinares, agora um despacho do actual ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato, põe fim à vigência do documento Currículo Nacional do Ensino Básico - Competências Essenciais, que desde 2001 foi assumido como a referência central para aquele nível de ensino. As "metas curriculares" que substituirão aquele documento irão ainda ser elaboradas.
Público

Professores com mais autonomia
O ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato, emitiu um despacho, a que o CM teve acesso, que elimina o documento orientador dos currículos do Ensino Básico e confere maior liberdade aos professores para ensinarem como entenderem.

De regresso à escola... transformada em habitação

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Afinal...



O dia seguinte à revisão da estrutura curricular

Ações de Formação - Supervisão da Classificação


Data limite para envio de candidaturas - 27 de dezembro de 2011
Provas de Aferição - 1.º Ciclo e Provas Finais - 2.º Ciclo
As ações de formação de supervisores da classificação destinam-se a professores do quadro de escola ou de zona pedagógica que estejam a lecionar ou que tenham lecionado, nos dois últimos anos, o programa do ano e da disciplina a que se refere a formação. Os professores que já tenham desempenhado funções de supervisão da classificação em anos anteriores estão dispensados da frequência destas ações.

As consequências da revisão da estrutura curricular

Alterações do 5.º ao 12.º ano eliminam 60 mil horas de aulas semanais.
2600 professores vão ficar sem horário.
A revisão curricular que o Ministério da Educação e Ciência pretende implementar já no próximo ano lectivo implica a eliminação de mais de 2600 horários completos de professores nas escolas públicas, entre o 5.º e o 12.º ano de escolaridade, em consequência da redução de perto de 60 mil horas de aulas semanais. 
Os sindicatos não duvidam de que esta reorganização vai implicar a saída de muitos professores e exigem o estudo de impacto financeiro. O ministério defende que o que interessa são os interesses dos alunos.
A ler no Diário de Notícias

Avaliação externa das escolas

Designação de peritos para integrarem as equipas de avaliação externa dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Pelo Parlamento Europeu

O que os professores realmente querem dizer aos pais

Autor do 2º artigo mais compartilhado no Facebook em 2011, americano diz que pais desrespeitam regras de escolas, pondo em risco o futuro dos filhos.

...
Que tipo de comportamento dos pais irrita os professores? 
Acho que o ponto principal são as desculpas que os pais criam para livrar os filhos das punições que a escola prevê. Se um aluno tira nota baixa, por exemplo, ou deixa de entregar um trabalho, os pais vão à escola e descarregam todo tipo de desculpa: dizem que o filho precisava se divertir, que a escola é muito rigorosa ou que a criança está passando por um momento difícil. Ou, ainda, culpam os professores, dizendo que eles não são capazes de ensinar a matéria. Mas nunca culpam seus próprios filhos. É muito frustrante para os professores ver que os pais não querem assumir suas responsabilidades.

Para ler na Revista VEJA com origem numa entrevista de Ron Clark à CNN  (O que os professores realmente querem dizer aos pais).

Opinião - Revisão da Estrutura Curricular

Paulo Guinote - A Educação do meu Umbigo


J. Matias Alves - Terrear

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Reforma Curricular nos Telejornais

Apresentação da Proposta de Revisão da Estrutura Curricular


Proposta de revisão curricular

O Ministério da Educação e Ciência apresenta hoje, pelas 15 horas, para discussão pública, a proposta de revisão curricular. (Ver Nota de Agenda)
Estranha é a postura do ministério face aos sindicatos de educadores e professores!?
Depois de ter afirmado numa reunião em novembro, que os sindicatos seriam das primeiras organizações a conhecer a proposta de revisão curricular agora não os tenha convidado para a apresentação da proposta de alteração do currículo revelando um enorme desrespeito pelos representantes legais dos docentes deste país!
Não sendo de negociação obrigatória, estas medidas, agora propostas, terão muitas e gravosas consequências que passarão obrigatoriamente por negociações com os sindicatos de educadores e professores.
O MEC informou a comunicação social de que a proposta de revisão curricular estará a partir de hoje em discussão pública e será implementada no ano lectivo de 2012/2013, estranho, muito estranho, é ignorar uma das partes interessadas e que colocará em prática o currículo agora revisto!
O desrespeito e a afronta aos docentes deste país continua!

sábado, 10 de dezembro de 2011

Negociação

A reunião de ontem no Palácio das Laranjeiras não correu bem, porquanto, como sabem, foi apresentado aos sindicatos um novo artigo (29º) a introduzir no ECD, que altera o vínculo laboral dos docentes dos quadros, incluindo os professores no regime geral da Função Pública através de alterações no ECD que não tinham sido negociadas e cuja nomeação passa a designar-se contratação por tempo indeterminado, com a óbvia perigosidade futura que encerra, em termos de estabilidade laboral.
(Ver Documento)
Os sindicatos dos educadores e professores rejeitaram a versão do projecto de decreto-lei de alteração ao Estatuto de Carreira Docente (ECD) apresentada pelo Ministério da Educação e Ciência,  e aguardam, agora, uma nova versão do Estatuto.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Bom fim de semana!

Negociações

O Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar, Dr. João Casanova de Almeida, reúne-se hoje, 9 de Dezembro, com as organizações sindicais de professores, no Palácio das Laranjeiras, no âmbito da discussão da adequação do Estatuto da Carreira Docente ao novo modelo de avaliação do desempenho e ajustamento da terminologia ao quadro legal em vigor.

Promoção da leitura no Jardim de Infância

A realização, no pré-escolar, de atividades que criem necessidade e vontade de ler, para prevenção do insucesso das crianças em famílias com baixas qualificações, é defendida por professora da ESEC.
Ao realçar o papel do contexto familiar na promoção das "aprendizagens decisivas para a vida", Lucília Salgado, professora da Escola Superior de Educação de Coimbra (ESEC), afirma ser "importante dar às crianças, já no pré-escolar, aquilo que as famílias com literacia dão aos seus filhos".
Em Portugal, "cerca de metade das crianças que entram no 2.º ciclo leem mal ou não compreendem o que leem. É importante que se recupere, já no pré-escolar, aquilo que elas não tiveram na família, desenvolvendo atividades que as levem a sentir necessidade e vontade de ler, que percebam como se escreve e como se organiza um texto", afirma a especialista.
A ESEC inicia no sábado um ciclo de conferências sobre "Novas Alternativas Educativas para a Exclusão", sob a coordenação de Lucília Salgado, no âmbito da licenciatura em Animação Socioeducativa.
Situações como "ver pessoas significativas a ler com empenho, o pai, a mãe ou os irmãos mais velhos a ler, a leitura de histórias em família, dialogar sobre o que se lê e idas a bibliotecas ou livrarias" são consideradas fundamentais para a criança adquirir o gosto pela leitura e, dessa forma, entrar no sucesso escolar.
A primeira conferência incide na temática "Prevenir uma maior qualidade educativa desde a entrada para a escola: a criação de condições para a aprendizagem da leitura e da escrita em crianças de idade pré-escolar".
A segunda conferência, no dia 12, abordará a "Educação familiar e formação de adultos para a criação de condições de uma boa inserção escolar", partindo de um estudo que indica que as famílias que participaram nas Novas Oportunidades de qualificação "passaram a valorizar mais a escola e a envolver-se mais na educação dos filhos".
Apesar das Novas Oportunidades, "quase um milhão de portugueses continuam com baixas qualificações escolares e não leem, são pessoas em situação de pobreza e exclusão. E não é com estratégias de ler o 'bê-á-bá' que se altera a situação, mas com atividades que valorizem as pessoas e partam daquilo que elas sabem, que as levem a ter necessidade de ler", alerta.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Este empresário não se queixa da falta de produtividade!

"Emprestadado"


O ex-primeiro-ministro José Sócrates comentou em Paris a crise na Europa, durante uma conferência com colegas universitários da Sciences Po, onde estuda Ciência Política. "Para pequenos países como Portugal e Espanha, pagar a dívida é uma ideia de criança. As dívidas dos Estados são por definição eternas. As dívidas gerem-se. Foi assim que eu estudei".

Opinião - Santana Castilho

Passos Coelho, o contabilista plutocrata
Para Passos Coelho, a Educação é uma inevitabilidade, que não uma necessidade. Ao mesmo tempo que a OCDE nos arruma na cauda dos países com maiores desigualdades sociais, lembrando-nos que só o investimento precoce nas pessoas promove o desenvolvimento das sociedades, Passos Coelho encarregou Crato de recuperar o horizonte de Salazar e de a reduzir a uma lógica melhorada do aprender a ler, escrever e contar. Sob a visão estreita de ambos, estamos hoje com a mais baixa taxa de esforço do país em 37 anos de democracia. É significativo o facto de, em seis páginas e meia de entrevista recentemente concedida a este jornal, Passos Coelho (e, diga-se também, a entrevistadora) terem remetido a Educação para a expressão das suas sensibilidades: o zero absoluto. 
Com o passar do tempo e o confronto com as medidas tomadas, clarifica-se o conteúdo ideológico de Passos Coelho e a sua intenção política de desarticular o Estado e entregar à plutocracia o que resta. Os exemplos abundam e são diários. Uns, financeiramente irrelevantes, esmagam moralmente. É o caso do ministro da Economia, que veio voluntariamente para Lisboa mas obteve um subsídio de renda de casa. É legal, mas é imoral. Porque ele próprio censurou e acabou com a possibilidade dos velhos viajarem em comboios vazios, pagando apenas metade do bilhete. Porque os funcionários públicos deslocados para trabalharem no país e os mais de 300 mil emigrantes forçados, recentes, não o têm. Porque para viver bem melhor que os mais de 700 mil desempregados, cujo sofrimento deveria combater com medidas que não toma, não precisa desse subsídio. Porque colegas do Governo, confrontados com a ética mínima, renunciaram a ele. É o caso do ministro, ainda por cima da solidariedade, que foi tomar posse de vespa mas exerce de Audi, de 84 mil euros. E que tem a pouca vergonha de dizer que nada podia fazer, porque o respectivo contrato vinha de trás, bloqueado. São os casos das prebendas crescentes, que recompensam fidelidades servis. Outros, financeiramente gigantes, como o que se segue, passam de fininho por uma opinião pública pouco esclarecida. 
Cerca de seis mil milhões de euros serão transferidos dos fundos de pensões da banca para o Estado. Da forma como Passos Coelho referiu publicamente a operação direi, com generosidade, para não lhe chamar mentiroso, com propriedade, que os portugueses foram enganados. Com aquele jeito de bom escuteiro, Passos Coelho afirmou que uma parte dos activos transferidos será usada para pagar as reformas dos bancários, no curto prazo, outra utilizada para capitalizar reservas que as garantam, no futuro, e a terceira, que denominou de excedente, de dois mil milhões de euros, saldará dívidas públicas. Se Passos Coelho falasse verdade, o Estado teria feito um excelente negócio. Mas não falou. Vejamos então a história, despida de manipulação. Não é possível determinar, com rigor, em quanto importa a responsabilidade em análise. Para lá chegar, usam-se modelos de previsão, assentes em pressupostos. Os modelos são falíveis e a história recente das parcerias entre o Estado e os privados mostra como os pressupostos, por norma aceites, são leoninos contra o Estado. Voltou a ser o caso presente. Com a informação disponível, quatro mil milhões de euros (os seis transferidos menos os dois que Passos retira para pagar dividas) são claramente insuficientes para dar sustentabilidade futura à operação. Com efeito, a avaliação actuarial feita terá aceitado a tábua de mortalidade e a taxa de desconto mais desfavoráveis aos interesses do Estado (a avaliação actuarial visa determinar riscos e expectativas, na área dos seguros de vida e fundos de pensões; a tábua de mortalidade permite prever o número de anos em que a pensão será paga; a taxa de desconto relaciona o valor dos fundos a transferir, no momento em que são calculados, com o valor estimado das responsabilidades futuras, sendo certo que quanto mais elevada for a taxa aceite, mais baixo será o valor dos activos a transferir). Assim, este negócio foi, como tem sido a regra, excelente para a banca e ruinoso para o Estado. Os encargos de que os bancos se libertaram significariam responsabilidades futuras muito mais volumosas que os 6 mil milhões que agora cederam (é só seguir estudos internacionais disponíveis e os indicadores adoptados por outros países, que fica reduzida a pó a credibilidade da palavra de Passos Coelho). Gastar já um terço desse pecúlio insuficiente, como se fosse uma receita excedente, além de tremenda irresponsabilidade, patenteia a desonestidade política de quem sempre censurou os comportamentos idênticos do Governo anterior. No futuro, pagarão os contribuintes, por via de mais espoliação despudorada, ou os bancários, por via da diminuição das suas reformas. E quando, lá para Fevereiro de 2012, os milhões forem pagos aos credores do Estado, estes correrão a entregá-los aos seus próprios credores, isto é, à banca. Ficará então fechado o ciclo da plutocracia dominante. 
Passos Coelho ainda não entendeu que a sua estrita visão contabilística poderá proteger o país do aguaceiro do presente, mas vai deixá-lo bem mais vulnerável à tempestade do futuro. Nem a escola onde estudou nem a curta experiência de gestão que teve lhe ensinaram que há uma diferença entre o importante e o urgente. Centrou-se no imediato. Abriu-se à plutocracia. É um utilitarista irracional. E não só nos empurra para a penúria, como afirma que esse é o nosso futuro. Se o regime não estivesse podre e a sociedade abúlica, o seu provir seria curto.
Santana Castilho
Jornal Público 7/12/2011

Novo Regime de Avaliação Docente

Enviado às escolas/agrupamentos um comunicado do Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar, João Casanova de Almeida, para "esclarecer a direcção dos agrupamentos de escolas e escolas não agrupadas e os seus docentes no que diz respeito às linhas gerais que orientam o novo Regime de Avaliação do Desempenho Docente, numa fase de transição em que os procedimentos administrativos relativos à alteração e republicação do Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário e à publicação do Decreto Regulamentar que institui o novo modelo de Avaliação de Desempenho Docente, exigem ainda algum tempo para a sua concretização."


O valor do ensino experimental - Debate

Parte I

Parte II

Pela Assembleia da República

Dia 9 de Dezembro de 2011

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Impacto da ação do SeguraNet na população escolar

O presente estudo é o primeiro do género realizado entre nós, intitulado “ A Participação das Escolas Portuguesas no Projeto SeguraNet – Um Estudo Múltiplo de Casos” contou com a coordenação e a responsabilidade do Centro de Investigação em Educação e Psicologia [CIEP] da Universidade de Évora e do respetivo Centro de Competência TIC, pretende aferir o impacto da ação do projeto SeguraNet na população escolar. Pretende tornar percetível e compreensível “[…] o impacto do projeto SeguraNet naquilo que constituem as práticas educativas predominantes no espaço da escola e os eventuais reflexos que essas propostas poderiam ter no comportamento dos alunos no uso da Internet.” 

Próxima Bolsa de Recrutamento


De acordo com a informação enviada aos agrupamentos/escolas, a aplicação para a bolsa abrirá no dia 22 de dezembro para a última bolsa de recrutamento e que os resultados dessa bolsa (BR13) serão divulgados no dia 28 de dezembro.

O valor do ensino experimental II

Vamos dançando...

O estado da Segurança Social

O estado da Segurança Social portuguesa foi o tema do programa desta semana. Judite Sousa e Henrique Medina Carreira convidaram António Bagão Félix, economista e antigo ministro da Segurança Social e do Trabalho.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

A realidade em muitas EB e Jardins de Infância

...e respectivas associações, que preferem discutir minudências e ignorar que deixam os seus educandos horas a fio em espaços com condições de segurança cada vez menores por falta de pessoal auxiliar, e muitas escolas deste país estariam encerradas até serem repostas condições mínimas de funcionamento.
Porque não adianta nada os professores e as direcções queixarem-se que a tutela e afins não se interessam.
Quantos aos pais da estirpe albina só aparecem quando dá créditos e nos tempos que correm o úbere anda seco.

O valor do ensino experimental


O ensino experimental das ciências é, actualmente, obrigatório, sendo considerado fundamental para a melhoria da aprendizagem dos alunos e condição essencial para o sucesso nesta área. 
A aprendizagem das ciências é melhor quando feita através do ensino experimental? Existirão diferenças nos resultados de aprendizagem relativamente a outros métodos? Dever-se-á utilizar o ensino experimental independentemente dos conteúdos envolvidos e da idade dos alunos?

Bolsa de Recrutamento - Recurso Hieráriquico

Recurso Hierárquico – Bolsa de Recrutamento BR12
Disponível das 10h00 de segunda-feira, dia 5, até às 18h00 de segunda-feira dia 12.

Taxas de portagem da A23, A24 e A25


Publicada hoje a portaria que fixa o montante das taxas de portagem a cobrar nos lanços e sublanços das auto-estradas SCUT do Algarve, da Beira Interior, do Interior Norte e da Beira Litoral/Beira Alta.

Relatório da IGE

Relatório da IGE sobre a avaliação dos sistemas e procedimentos de controlo interno das operações de execução do Orçamento do Estado (OE).

domingo, 4 de dezembro de 2011

Andam a brincar connosco!?

1ª página do jornal Público de 4/12/2011

Mas, se há um excedente para que me roubaram no subsídio de Natal ? Para injetar na economia? Retiram-se os subsídios a quem trabalha para injetar nas empresas? Eu não quero ser acionista de nenhuma empresa ou que o estado seja acionista de uma qualquer empresa com o meu dinheiro!
A inconstitucionalidade destes cortes está bem patente nestas declarações! 
Se os 2 mil milhões retirados aos funcionários públicos são o valor desse excedente, qual é a justificação para o corte brutal nos ordenados?
Vão lá "troikar" para outro lado!

Com ele a tradição já não é o que era!


Assim que se apercebe da presença do repórter da cadeia televisiva, o peru segue de perto os seus movimentos e obriga-o mesmo a fugir e a esconder-se num carro.

Divulgando


Comemorando da melhor forma o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, foi ontem apresentado, no espaço do Café Concerto completamente esgotado, da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, o trabalho das Professoras Zélia Gonçalves e Maria Rosário Ferreira "Ver de ver a diferença". 
Este livro é uma excelente demonstração de que a partilha de experiências e o vivenciar de situações pelas crianças se afigura muito eficaz na construção de conhecimentos e promove a diminuição de diferenças.
Parabéns!

sábado, 3 de dezembro de 2011

Dia Internacional das Pessoas com Deficiência




Muito ingrato é ser trabalhador em Portugal!

Um trabalhador em apuros
Deixa-me sempre pesaroso (embora só agora tenha assistido a tal coisa) ver o Fisco exigir 750 mil euros de impostos a um pobre trabalhador, mesmo que esse trabalhador seja o homem mais rico de Portugal e um dos 200 mais ricos do Mundo. Ainda por cima, o Fisco assaca a Américo Amorim coisas feias como ter feito, sem licença, obras de engenharia criativa na contabilidade das suas empresas. 
A má vontade da Justiça contra Américo Amorim não é de hoje. Já em 1991, o MP o acusara de abuso de confiança e desvios em subsídios de 2,5 milhões de euros do Fundo Social Europeu; felizmente Deus e a morosidade dos tribunais escrevem direito por linhas tortas e o processo acabou por prescrever. Depois foi a "Operação Furacão" e uma investigação por fraude fiscal e branqueamento de capitais, mas tudo acabou de novo em bem e sem julgamento.
Agora as Finanças não compreendem os contratempos hormonais das empresas de Américo Amorim e recusam aceitar como despesas os seus gastos em tampões higiénicos e outras exigências da feminilidade como roupas, cabeleireiros ou massagens. Até as contas da mercearia e festas e viagens dos netos o Fisco acha impróprias de um grupo de empresa só pelo facto de os grupos de empresas não costumarem ter netos.
Um trabalhador consegue juntar um pequeno pé-de-meia de 3,6 mil milhões e o Estado quer reduzir-lho a pouco mais de 3,599 mil milhões. Muito ingrato é ser trabalhador em Portugal!

Abaixo assinado - Reorganização Curricular

O MEC prepara-se para introduzir “mexidas curriculares” sobretudo no ensino básico e, eventualmente, também no secundário. A lume têm vindo notícias relacionadas com a Informática, a EVT, a História, a Geografia, a segunda língua estrangeira no 3º Ciclo e agora, até, uma alteração de modelo organizacional global no 2º Ciclo. 
Disponível  a partir de hoje, um abaixo-assinado (em anexo, e disponível para subscrição on-line) que irá circular nas escolas até 15 de janeiro, exigindo um amplo debate em torno desta matéria.
Professores e educadores reclamam amplo debate!

Bom fim de semana!

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

8,6 milhões!?

A Escola Secundária Alcaides de Faria, em Barcelos, "mete água", apesar de ter "reaberto" em Janeiro após obras de requalificação orçadas em 8,6 milhões de euros, denunciou nesta sexta-feira um grupo de alunos.
...
Informação da Parque Escolar
A intervenção na escola traduziu-se na construção de um novo edifício onde funcionam as salas TIC, salas de desenho, laboratórios, biblioteca, áreas sociais, sala polivalente e espaços para abertura da escola à comunidade.
Os edifícios existentes foram remodelados, garantido a satisfação das actuais exigências de conforto, segurança e acessibilidade.
O gimnodesportivo foi requalificado tendo-se procedido igualmente à construção de um ginásio, incluindo instalações desportivas de apoio (balneários, vestiários e espaços de apoio).

Transformar lixo em brinquedos didáticos.

Arvind Gupta apresenta simples mas impressionantes planos para transformar lixo em entretenimento didático, brinquedos bem concebidos que podem ser construídos pelas próprias crianças - enquanto aprendem os princípios básicos da ciência e do design.


Mais uma inexactidão, agora no despacho sobre avaliação!

Rectifica o despacho normativo n.º 14/2011, publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 222, de 18 de Novembro de 2011.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Blogues Educativos

O Catálogo de Blogues Educativos, publicado no Portal das Escolas, destina-se a todos os docentes que queiram publicar e divulgar o seu blogue revelando trabalho realizado com os alunos.
Lançado em Março de 2011, o Catálogo revela o trabalho que se faz nas escolas do Pré-Escolar ao Ensino Secundário.
No Catálogo BloguesEDU, o docente não só tem acesso a este conjunto de blogues, divulgados como exemplo de boas práticas, como também a uma área de referências que revelam a sua pertinência como recurso e estratégia educativa. O docente pode ainda contar com uma área de apoio técnico onde acede a manuais e tutoriais que apoiam a construção e dinamização de blogues em sala de aula.
Aceda ao catálogo de blogues educativos a partir desta ligação.
DGIDC

Dia Mundial da Luta contra a Sida.


quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Amanhã... ainda é feriado!

O corte chegou ao ensino de português no estrangeiro

Cerca de 65 cursos da rede de ensino de Português no estrangeiro serão suprimidos em Janeiro.
Cerca de meia centena de professores que actualmente ensinam Português no estrangeiro já não voltarão às suas aulas em Janeiro próximo: 33 ficarão no desemprego e outros 16 regressarão às escolas de origem em Portugal.
Os docentes que irão ser dispensados começaram ontem a ser avisados por telefone. "Vão para o desemprego com um mês de aviso prévio".

Ver despacho de 29/11 -  Ensino de Português no Estrangeiro


Exame de entrada na carreira arranca em 2012!?

Correio da Manhã 29/11/2011

Liberdade de escolha em Educação


Revista XXI -  Entrevista a Paulo Guinote 
Até que ponto há liberdade na liberdade de escolha?

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Ensino de português no estrangeiro

Aprova a rede de cursos do ensino português no estrangeiro para o ano lectivo de 2011-2012, reorganizando os horários dos ensinos básico e secundário

Apresentação do livro: "Ver de ver a diferença"


Convidamos para a
apresentação do livro
Ver de Ver a diferença!

Um livro para
crianças, feito por crianças. 

Aguardamos a vossa prestigiada
presença

no próximo dia 3 de Dezembro, na Casa das Artes, espaço do Café Concerto, pelas 21h15m.


Um livro com cheiro a chocolate!